Um giro pelas cozinhas da Casacor SP 2019

postado em: Casa, Design, Gourmet | 0

No que depender dos projetos apresentados na 33a edição da Casacor São Paulo, aberta esta semana no Jockey Club, as refeições em torno do fogo serão cada vez mais rápidas e fugazes. Totalmente integrada à casa – às vezes como parte contínua da própria estante da sala de estar – ou escondida em armários, a cozinha vem perdendo em acolhimento e estímulo sensorial em prol da praticidade e da compactação em espaços mínimos funcionais. Uma pena.

A tecnologia, o minimalismo e a frieza nadaram soltos onde deveriam prevalecer aromas, cores e texturas. Destaque para a onipresença dos fogões por indução, das geladeiras com três portas (french door) e os armários que, como mágicos, por vezes fazem desaparecer todo o ambiente.

Assim como as copas foram sumindo com o tempo, as salas de jantar também andam escassas na mostra, dando espaço a ilhas e bancadas anexas ao fogão. Uma boa ideia para refeições descontraídas entre amigos, mas nada prático para quem pretende cozinhar diariamente e manter a casa limpa.

Entendo que eventos como esse, assim como as passarelas de moda, são como palcos para apresentar tendências e marcar posições. E não reflexos do dia a dia. Mas, a meu ver, neste ano faltou aos arquitetos um olhar mais amoroso na composição deste que já foi o coração da casa. Nada que um bolo de fubá quentinho e café coado não ajudem na hora de se inspirar para o próximo ano.

Veja alguns dos projetos apresentados e depois dividam comigo suas impressões.

 

Foto: Ju Bianchi
Favorecida pela iluminação, pelas cores, plantas e presença da mesa de madeira natural, a cozinha projetada por Márcio Michaluá é das mais afetivas da mostra desse ano. Foto: Ju Bianchi

 

Patricia Hogabian criou um espaço aconchegante para reuniões na cozinha feita em parceria com a Florence. Foto: Martin Gurfein

 

A Très Arquitetura se juntou a Starbucks para criar a Casa Grão. Talvez daí a cozinha ter se limitado a uma bancada na extensão da estante da sala com espaço suficiente para não mais do que um café. Foto: Evelyn Muller

 

As linhas arredondadas e os tons neutros da cozinha projetada por Melina Romano têm certa dose de doçura nostálgica. Destaque para os bricks terrosos da Lepri no piso e parede. Foto: Denilson Machado

 

Funcional e espaçosa. Assim é a cozinha do arquiteto Fernando Piva criada em parceria com a Kitchens. Destaque para a estante de metal que também serve de escorredor de louças. Foto: Divulgação

 

Encerrada em um cubo de muxarabi branco, a cozinha asséptica de Nildo José causa estranhamento. Ainda mais quando se descobre que a inspiração do projeto é o Recôncavo Baiano. Onde foi parar a pimenta, meu rei? Foto: Ju Bianchi

 

Planejada para ser a ligação entre o quarto e a sala do loft concebido pela InTown Arquitetura, a cozinha Ornare, revestida com lâmina em pedra black line, se resume ao corredor. Foto: Ju Bianchi

 

A Cucina Pietra, de Felipe Hess, trouxe uma estética absolutamente neutra com os eletrodomésticos escondidos nos armários com frente em Slimstone (S.C.A.). Tirando a ilha, é possível esconder a cozinha toda no armário. Foto: Ju Bianchi

 

Com lustres dos irmãos Campana, a área gourmet (e não cozinha) da Dolce Villa Todeschini, projetada pela arquiteta Debora Aguiar tem a adega como destaque ao redor da ilha tamanho família. Geladeira e fornos no armário? Temos. Foto: Ju Bianchi

 

Enquanto os demais ambientes da casa de campo projetada por Otto Felix transpiravam aconchego e liberdade, a cozinha foi encerrada, mais uma vez, em um armário. Pelo menos esse era charmoso. Reparem no fogãozinho vintage. Foto: Ju Bianchi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *